domingo, 11 de setembro de 2011

O Peso da Cruz


            Clic... clic...
            Clic...
            Coloco as balas na arma, meio sem jeito. Não consigo parar de lacrimejar, não dá pra ver nada. Merda. Não é hora de fraquejar. Já passei por tanta coisa, não posso desistir de fazer a única coisa que pode me salvar.
            Clic.
            A última. Não entendo por que coloquei todas as balas. Só pretendo usar uma. Talvez tenha sido para adiar o momento... Não, não. Deve haver outra explicação. Não estou fraquejando. NÃO ESTOU! Aperto a arma com força. Então é isso. Acabou. Conseguiram me vencer.
            Não escrevi carta alguma. Não acho que alguém queira ler uma despedida minha. Talvez só venham a saber da minha morte daqui a semanas, quando os vizinhos perceberem o cheiro e vierem ver o que aconteceu. Talvez não demorassem tanto a me notar se... Ah. Outra lágrima. Me recosto na parede do banheiro e me deixo cair sentado no piso. Sem camisa e descalço, a sensação de frio é ao mesmo tempo desagradável e bem vinda, por incrível que pareça.
            Acho que não era pra ser, mesmo. Nada deu certo. Nada dá certo. Será que algo vai dar certo? Não, sem sentimentalismo. Objetividade. Você é um homem objetivo. Faça agora! Aponto a arma para a testa.
            Na testa mesmo? Onde será que é melhor? Não sei bem qual a melhor opção. Será que não é muito violento? Será que não dói? Recosto a arma. Isso é ridículo. Eu não devia estar pensando tanto assim. É só fazer. Pronto. Nada de mais. Eu lutei e perdi, não há muito o que ser pensado.
            Me levanto. Lavo o rosto com a água fria da torneira. Estou tremendo. Merda, será que eu não sirvo nem pra isso? Olho pra meu reflexo no espelho. Não dá pra ver muito com a luz apagada, só um vulto pálido, mais pra lá do que pra cá. Patético. Sinto o peso da arma na mão e miro no espelho. O meu reflexo dá um sorriso discreto. Volto a arma para a testa, novamente.
            Toc toc.
            Ahn? Uma batida na porta do banheiro. Tem alguém em casa? Tem alguém na MINHA casa?! Era só o que faltava. Mais essa. Aperto a arma. Talvez tenha sido bom ter colocado mais de uma bala, afinal de contas. Abro a porta repentinamente. Uma luz forte quase me cega. Deixo cair a arma. E tão rápido quanto surgiu, a luz desaparece. No lugar da arma, jazem no chão um caderno e uma caneta. E eu escrevo. E escrevo...

__________________________________________________

Não, não quero me matar. Tenho estado muito deprimido, mas escrever sempre foi uma boa maneira de raciocinar as ideias, repensar, dialogar comigo mesmo. Estou há semanas querendo escrever pra tentar me sentir melhor, mas não sai nada. Revirando as minhas pastas encontrei esse texto que escrevi há algum tempo, num momento de tristeza similar ao atual. Reli, adaptei, reorganizei, tirei partes, coloquei partes. Estou bloqueado para escrever, mas o simples fato de editar o texto já me ajudou um pouco. Parece besteira, mas estou me sentindo tão só que chega a doer... Esse negócio de ser gay faz encontrar um amor de verdade ser quase roteiro de filme, "Missão Impossível". Mas eu não desisto. Não me venceram ainda. Não conseguiram matar nem o meu eu lírico, quem dirá eu.

Um abraço a todos!
Nero

12 comentários:

  1. Olá Nero, espero que esteja bem.
    Pois bem, estou fascinado com sua sensibilidade. Assim como eu vejo que você usa o texto para reverter o martírio, e, se assim não for, ao menos para que viva o martírio como uma coisa boa.
    Sobre a arma, as vezes o melhor suicídio é mesmo o texto. Na maioria das vezes o mais doloroso. Porém alivia mais, e, ainda nos dá a possibilidade de ter nem que seja mais um suspiro.
    Sobre ser gay, de fato não é uma fácil condição. Sei bem :) Bonito assumir isto moço.

    Poesia pra ti! Mate-se de amor e palavras.

    __

    http://molduraseretratos.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Palavras tem grande poder! Também escrevo e confesso sentir um certo alívio quando o faço! Costumo criar a realidade, carregando minhas palavras com indiretas, tornando o texto uma arma que atinge certeiramente o alvo! Gostei do post e do Blog! Parabéns! ;)

    Beeijos! http://viagemprala.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Adorei esse texto, de verdade, é incrível mas escrever sempre faz bem né, e as vezes me pego fazendo a mesma coisa, recentemente achei um texto meu em um antigo blog, naquele dia tentei escrever e não conseguia pensar em nada, então editei o antigo texto e postei no meu blog, e só isso já me fez muito bem, escrever é sempre bom, ler então mais ainda, melhor ainda se for um texto antigo que voce mesmo que escreveu não é mesmo? Quanto a solidão, escrever pra mim tem sido minha melhor compania ultimamente..

    obrigada pelo comentário la no meu blog, é sempre bom ver que alguém leu de verdade meu texto, estarei sempre por aqui e estou te seguindo! beijo

    http://damasxdramas.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Antes de tudo. Que Deus esteja contigo e guie a cada segundo seus passos e não lhe permita fraquejar jamais. Simplesmente amei o texto e o blog, felizmente ou infelizmente entendamos como quiser... reconheço suas palavras pq convivo com tantos gays que sonham com finais felizes e tbm pq é tão mais fácil desistir e se sentir a pior pessoa do mundo. Hoje eu sei que o fracasso vem de nós e depende de nós afasta-lo e a cada dia eu acredito mais e mais que mais do que qualquer um, um homossexual merece em dobro uma historia de amor mais bonita e mais feliz. Vou seguir :**

    ResponderExcluir
  5. suas palavras são envolventes, parabéns =))

    to seguindo aqui, bem bacana \o/

    www.foiporquerer.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Olá, Nero! Quando leio um texto, costumo colocar-me na situação do personagem, em primeira pessoa. Assim consigo sentir um pouco do que vc quis passar. E, nossa, vc realmente conseguiu! Muito bom, mas anime-se, na vida todos nós temos dificuldades, não sei quais sao suas crenças, porém lhe digo: Deus não disse que a vida seria fácil, apenas disse que valeria à pena. Abraço!

    ResponderExcluir
  7. Não desista do que almeja. A força de vontade é que nos faz vencedores.

    ResponderExcluir
  8. Eu acho que é importante se escrever em todos estados emocionais, é uma ótima terapia e a melhor forma de se viajar.
    Ler também mas escrever...é satisfatório.

    ResponderExcluir
  9. cara, você escreve muito bem *---*


    e em relação a escrever para se sentir melhor.. Bem...
    Eu também sou assim.

    Mas dependendo da situação, nada pode ajudar.. Entendo bem isso :/

    boa sorte ae.

    ResponderExcluir
  10. Você escreve muito bem, parabéns!
    Estou seguindo o seu blog :D
    http://seriesbooksmovies.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  11. Muito lind o texto! você tem razão escrever é uma ótima maneira de desabafar, também adoro escrever!

    comenta la: http://errosxacertos.blogspot.com/

    ResponderExcluir

E aí, o que achou?

Me diz!

Se seu comentário for legal eu dou uma olhada no seu blog e falo o que eu achei também, é só deixar o link!

Abraço